8.3.11

Eu, Will e "o dia internacional das mulheres"


 Will, a vó dizia que se a mulher tivesse noção da importância das putas, beijaria seus pés em sinal de gratidão, daria presente, alimento, remédio e cuidados quando caíssem doentes. Que uma semana de festas seria pouco para homenageá-las em agradecimentos.

_ Não tive o alcance, guria. Quer dizer que as putas são santas? Que devemos dar a elas a mesma caridade pregada pela religião aos pobres?

_ Na época tampouco compreendi. Penso que se existe caridade, é a puta caridosa, não o contrário. O que a vó dizia é que sem as prostitutas o mundo seria caos absoluto. Elas, entre as pernas, minimizam dores, violências sexuais, perturbações sociais. Coisas desse tipo, Will.

_ Então as putas são necessárias para a dona de casa dormir em paz? E essas dores que elas aplacam, são as perversões não confessáveis devido a essa educação religiosamente hipócrita ministrada desde o leite materno? Quer dizer que a possível e verdadeira história da sexualidade humana é contada pelas putas?
  
_ Essas coisas que a vó tentou me explicar. A mulher tem o dever de cuidar da mulher "da vida". Todas as mulheres são prostitutas, ela dizia também, a diferença será apenas o produto vendido. Somos todas desnaturadas da nossa condição feminina. Ainda vendemos nosso tempo servindo marido, filhos, sociedade, padrões. Cada uma vende o que o estômago aguenta.

- Sua vó era de um tempo que ainda não é, Anna.

11 comentários:

  1. Excelente!!!!!!!

    Fazia tempo que eu não vinha aqui e também não escrevia...
    Depois de tantas decepções que tive há pouco na minha vida percebo que nada melhor do que a verdade para nos libertar não é amiga das letras?
    Obrigada por este seu bálsamo de verdade!

    Beijinhosssssssssssssss da Chris.

    ResponderExcluir
  2. Ô loko. mto boooom, ah e uma coisa, eu sou esse will!!! ahauhuauhuha beijão ale!!

    ResponderExcluir
  3. Muito interessante o blog !
    Deixo o meu aqui caso queira dar uma olhada, seguir...;

    www.bolgdoano.blogspot.com

    Muito Obrigada, desde já !

    ResponderExcluir
  4. Ahhh....
    Tomei a liberdade e postei seu texto no meu blog...
    Qualquer coisa dá um alo lá...
    www.avozeminha.blogspot.com

    ResponderExcluir
  5. adorei o blog e o post. Não compreendo muito esse mundo das prostitutas e muito menos o porque de meninas como a da bruna surfistinha, deixaram seu conforto em prol da liberdade. Sei que o caminho da liberdade pode ser trilhada de diferentes formas mas fiquei chocada com o caminho muito dolorido que ela percorreu. Posso está completamente errada, mas penso assim :~ Encontrapartida, sei muito bem esse modo que nos vendemos aos valores burgueses e machistas. Lindo blog.

    ResponderExcluir
  6. Olá! Obrigada pela visita e comentários no Atestado do Óbvio, fique a vontade para retornar sempre. Seu blog é muito legal, já vou favoritar.

    Abraço ;)

    ResponderExcluir
  7. ri muito quando li:

    Penso que se existe caridade, é a puta caridosa, não o contrário!


    kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    ResponderExcluir
  8. Grande texto Alê!
    Me agradou a verdade crua do grand finale: "Cada uma vende o que estômago aguenta".
    Beijo!

    ResponderExcluir
  9. O tema defendia a nossa grande e querida poeta Cora Coralina. Segue:

    Mulher da Vida
    Cora Coralina

    Mulher da Vida, minha Irmã.

    De todos os tempos.
    De todos os povos.
    De todas as latitudes.
    Ela vem do fundo imemorial das idades e
    carrega a carga pesada dos mais
    torpes sinônimos,
    apelidos e apodos:
    Mulher da zona,
    Mulher da rua,
    Mulher perdida,
    Mulher à-toa.

    Mulher da Vida, minha irmã.

    Pisadas, espezinhadas, ameaçadas.
    Desprotegidas e exploradas.
    Ignoradas da Lei, da Justiça e do Direito.
    Necessárias fisiologicamente.
    Indestrutíveis.
    Sobreviventes.
    Possuídas e infamadas sempre por
    aqueles que um dia as lançaram na vida.
    Marcadas. Contaminadas,
    Escorchadas. Discriminadas.

    Nenhum direito lhes assiste.
    Nenhum estatuto ou norma as protege.
    Sobrevivem como erva cativa dos caminhos,
    pisadas, maltratadas e renascidas.

    Flor sombria, sementeira espinhal
    gerada nos viveiros da miséria, da
    pobreza e do abandono,
    enraizada em todos os quadrantes da Terra.

    Um dia, numa cidade longínqua, essa
    mulher corria perseguida pelos homens que
    a tinham maculado. Aflita, ouvindo o
    tropel dos perseguidores e o sibilo das pedras,
    ela encontrou-se com a Justiça.

    A Justiça estendeu sua destra poderosa e
    lançou o repto milenar:
    “Aquele que estiver sem pecado
    atire a primeira pedra”.

    As pedras caíram
    e os cobradores deram s costas.

    O Justo falou então a palavra de eqüidade:
    “Ninguém te condenou, mulher...
    nem eu te condeno”.

    A Justiça pesou a falta pelo peso
    do sacrifício e este excedeu àquela.
    Vilipendiada, esmagada.
    Possuída e enxovalhada,
    ela é a muralha que há milênios detém
    as urgências brutais do homem para que
    na sociedade possam coexistir a inocência,
    a castidade e a virtude.

    Na fragilidade de sua carne maculada
    esbarra a exigência impiedosa do macho.

    Sem cobertura de leis
    e sem proteção legal,
    ela atravessa a vida ultrajada
    e imprescindível, pisoteada, explorada,
    nem a sociedade a dispensa
    nem lhe reconhece direitos
    nem lhe dá proteção.
    E quem já alcançou o ideal dessa mulher,
    que um homem a tome pela mão,
    a levante, e diga: minha companheira.

    Mulher da Vida, minha irmã.

    No fim dos tempos.
    No dia da Grande Justiça
    do Grande Juiz.
    Serás remida e lavada
    de toda condenação.

    E o juiz da Grande Justiça
    a vestirá de branco em
    novo batismo de purificação.
    Limpará as máculas de sua vida
    humilhada e sacrificada
    para que a Família Humana
    possa subsistir sempre,
    estrutura sólida e indestrurível
    da sociedade,
    de todos os povos,
    de todos os tempos.

    Mulher da Vida, minha irmã.


    Declarou-lhe Jesus: “Em verdade vos digo que publicanos e meretrizes vos precedem no Reino de Deus”.
    Evangelho de São Mateus 21, ver.31.

    Um beijo grande, Rosana Hummel

    ResponderExcluir
  10. adoro o fato de sermos todas putas. Deixo meu blog: http://www.segueorisco.blogspot.com/

    ResponderExcluir

Seguidores

visitas não brocham

Arquivo do blog

DEDOS NÃO BROCHAM

A. SAFRA

Minha foto
São Paulo, SP, Brazil
Tá dito no não dito. Contatos: e-mail: dedosnaobrocham @gmail.com twitter: @dedosnaobrocham facebook: Ale Safra

whos.amung.us