31.7.11












                albatroz-errante

voa rasante em mar gris

       vento risca seus olhos

         nos meus, cisco atroz

         a negação do homem

                                      só.







27.7.11

fragmento

foto de Ale Safra
...
ontem, durante o café da manhã, conversei com você. mas confesso que sempre converso: no metrô. no ônibus. durante minhas idas e vindas pelas ruas. nas compras do supermercado. mesmo quando converso com outras pessoas converso com você. no cinema, na livraria, no banho, no trabalho. em viagens e antes de dormir conto minhas poucas verdades e quero saber o que você pensa sobre elas. durmo sem sonhos. acordo e não tenho força para encarar que há tempos não ouço meu nome na sua boca. assim esqueço isso e tomamos café somente.


2009.
texto encontrato entre folhas de caderno.

26.7.11

brisa


feito vento frio quando bate,
nota de música arrepia o
gosto salgado em cor de mel-
ancia: essa querença

quero seu colo ateu e mãos sádicas
saliva ácida e adorável companhia

melhor de nós, meu bem
é nessa conformidade sem pesos,
nesse amor sem cristianismo
não pedirmos pra ficar

amo nossa história, B.



23.7.11

parede tangencial

Adriana Varejão, Linda do Rosário, 2004, foto Eduardo Eckenfels
Texto disponível no livro DEDOS NÃO BROCHAM, ed. Draco.

TAMBÉM NAS LIVRARIAS:

LIVRARIA MARTINS FONTES

LIVRARIA CULTURA

15.7.11

das cartas vermelhas


Adriana Varejão, Linda do Rosário, 2004, foto Eduardo Eckenfels
: paredes são fraudes.
abraços de pedras. utopias de pó e armação.
ilhas ...



DEDOS NÃO BROCHAM, EDITORA DRACO
ALESSANDRA SAFRA

DISPONÍVEL TAMBÉM NAS LIVRARIAS:


10.7.11

vento não é carteiro

Adriana Varejão, Linda do Rosário, 2004, exposta no Inhotim, foto de Eduardo Eckenfels
esfarelo verbo para  rebocar paredes. foi assim que aprendi ser muda. ser isso que


DEDOS NÃO BROCHAM, EDITORA DRACO
ALESSANDRA SAFRA

DISPONÍVEL TAMBÉM NAS LIVRARIAS:


2.7.11

gauche

foto de GAL APPIDO - ENSAIOS: Vestes

tentei reciclar teu cuspe
os dedos na pele minha
deslembrar ouvidos dos
seus meus
ais

não pude

quero você:
por quê?

1.7.11

na vala da frase





caí,
na vala da frase
carne verbo
exposta chaga
onde você urina

arde
ruas perambulam mentiras
procuro minhas desculpas
"ninguém foge do erro que é"
em folhas amassadas,
na cidade poluída do metrô lotado
e caio triste
nessas linhas 
nada é pra mim

palavra
sua
e
Gal Oppido _ Ensaios_ Vestes


Seguidores

visitas não brocham

Arquivo do blog

DEDOS NÃO BROCHAM

A. SAFRA

Minha foto
São Paulo, SP, Brazil
Tá dito no não dito. Contatos: e-mail: dedosnaobrocham @gmail.com twitter: @dedosnaobrocham facebook: Ale Safra

whos.amung.us