7.12.12

tribadismo ao entardecer



Sem dúvida: o entardecer é o momento dos amantes.
Infiéis e pecadores, gulosos e sem vergonha. Malditos apaixonados sem compromissos.
Gemidos sinceros, gozos intensos.
Cuidados extremos e nem tanto.
É meu horário. Minhas verdades. Meus gemidos suados, meus risos safados.
Olhos arrepiados, pele brilhante.
Ontem à tarde, minha primeira vez com ela.
Nos conhecemos em meio aos livros, logo que a vi, senti uma necessidade extrema de saber qual era o cheiro entre seus seios. Aqueles cabelos longos me enlouqueceram, sua pele fresca e branca com pelinhos dourados me fizeram salivar, sem falar do olhar, da boca, da promessa dos seios oferecidos e do segredo entre as pernas.
Eu não sabia que ela gostava de transar com meninas, pois tão feminina , delicada e suave não pude perceber de imediato. Mas ela falava sobre livros, livros me cativam e quanto mais ela falava, mais eu me envolvia.
Queria saber mais. Mais.
como encantá-la?
Depois de algumas semanas entre mensagens de texto por celular, e-mails, cafés, ontem à tarde foi nossa primeira vez. Fui até sua casa, conversamos, bebemos e nos beijamos. Eu estava tonta de tesão.
Ela usava um vestido abaixo dos joelhos. Adoro mulher de vestido e descalça. Depois dos beijos, dos toques mais ousados, das atitudes mais urgentes, ela tirou minha blusa e eu comemorei o sinal verde. (risos). E fiz algo que só faço com as mulheres, pois somente as mulheres me remetem as delícias de um parque de diversões, seus cheiros de algodão doce, seus sabores de maçã do amor e suas roupas como embrulhos dos presentes. Só quando dispo uma mulher sinto a empolgação da surpresa.
Subi o vestido devagar enquanto beijava suas coxas, passava as mãos entre as pernas, ameaçava um toque mais íntimo, deslizava em seus contornos para finalmente tirar-lhe o vestido e contemplar a beleza livre da carne em tons.
Puxei-a para a ponta do sofá, e depois de ameaças excitantes, finalmente minha boca estava onde eu e ela tanto queríamos. Passamos uma tarde no sofá, no tapete, na cama e sob a água do chuveiro. O cheiro entre seus seios é algo que me fez perceber a urgência e o delírio dos viciados em heroína. A beleza íntima rosadinha entregue a mim, os sons e as caras de prazer que ela fazia, seu olhar após o gozo...aiii
Eu aprecio a luz durante o sexo. Adoro ver nos olhos quê as palavras não podem significar. O olhar de cada um quando goza é um espetáculo único. Poder observar os pelos eriçar ao toque, ver a cor do rosto se transformar em tons afogueados, eu sei, nenhuma luz é mais perfeita para tal beleza humana, que a luz do entardecer.


texto publicado em 10/2008 e curiosamente não deixa de ser lido.

6 comentários:

  1. Que delícia, que harmonia... Sexo entre palavras! Adoro ler você!

    ResponderExcluir
  2. nossa, nunca li nada tao real em relacao ao momento de prazer. parabéns pelo texto.

    ResponderExcluir
  3. É inesquecivel ver seu próprio rosto na miúra do olhar do outro !

    ResponderExcluir

Seguidores

visitas não brocham

Arquivo do blog

DEDOS NÃO BROCHAM

A. SAFRA

Minha foto
São Paulo, SP, Brazil
Tá dito no não dito. Contatos: e-mail: dedosnaobrocham @gmail.com twitter: @dedosnaobrocham facebook: Ale Safra

whos.amung.us