25.2.13

não há paredes para nos abrigar do tempo


a semente tem sua outra face na terra, água e o no sol
(ela é numa ordem antiga cuja distância no tempo faz lenda)
neste berço tempo é o que nascer para ser 
larga-se confiante na jornada - dado o mistério que encerra. 
apenas a vida existe e se faz nas rachaduras improváveis
em movimentos além terra

a vida insiste elípticas espirais normais e barradas: apocalípticas
o espaço é aqui no fundo da sua garganta não reverbera meu ai

não existo nas relações de grandeza do universo
não existo assim como o átomo não existe para os meus sentidos parcos

existir sem ouvir meu nome nome na sua boca é dolorido
morro em belas peles de leite com café dada minha natureza gulosa
é morte docemente salgada. renovável. farta. variável. possível

a morte existe? andrômeda e via láctea querem se pegar
(como eu e você nessa reprodução ínfima)
a morte existe? o pó não contará nossa história
vida se desdobra apenas em vida
(é do silêncio de nós, após o fundir-se, a morte que desejo) 

olhos castanhos supernova
morrer para dentro
na velocidade da luz
quando abro os olhos você não está

sou poeira no rastro cometa
há lembrança de vida em mim
e um instante para não ser
(quando olho para o céu noturo
só enxergo vidas) 

e tudo é de e para
o tempo
          pó. o fim é ilusão

só o tempo existe
só o tempo entende
só o tempo sabe

um instante para não ser parede
contemplar estrelas (de)cadentes
até voltar a ser pó entre elas
e ser para saber se o pó se lembra
se ele se transforma em um eu pó


1.2.13

bissexual, mulher, ateia, esquerda, procura:



silêncio de rabo de olho enviesado;
distância de navalha falante;
invisibilidade de misógino de chocadeira;
paciência para dulcificar besta santificada;
passos largos de homofóbicos sanguinários;

bissexual, mulher, ateia, esquerda, procura:

companhia para guerrilha;
amores para motins;
sexo libertário;
revolução para relacionamentos
anarquia sentimental

bissexual, mulher, ateia, esquerda, procura:

outra história para cantar
vida para viver
liberdade para andar
comer para viver
cama para amar

bissexual, mulher, ateia, esquerda, procura:

distopia.



Seguidores

visitas não brocham

Arquivo do blog

DEDOS NÃO BROCHAM

A. SAFRA

Minha foto
São Paulo, SP, Brazil
Tá dito no não dito. Contatos: e-mail: dedosnaobrocham @gmail.com twitter: @dedosnaobrocham facebook: Ale Safra

whos.amung.us