28.9.14

crochê varal

Desenho de Sarah Hounsell

74 anos. mastigava há 50 o chiclete, uma lasca amarga de cordão umbilical
24 anos foi gente. o resto foi função em nome do pai, do rebento e do absurdo
15 gatos. 10 cachorros. 2 netos. 1 bisneta. 1 homem enterrado. 1 amor perdido.
1 sonho nunca vivido. 1 avental. 1s toneladas inomináveis garganta abaixo

7 ossos restaurados. 40 dentes não confiáveis. badaladas no corredor penumbrento
uma santa empoeirada cheira fritura há décadas e marca hora de oração. de novo hora do jantar. frango frito. os cachorros brigam. os netos ignoram. o chiclete quer jantar. a bisneta faz manha.
os felinos preferem o telhado

7 passos e 4 latas com roupas de molho. o joelho não quer dobrar. nem os olhos separar feijões. os pés protestam, inchados e rachados, contra os passos até o tanque. a vassoura, em sua finitude ligeira, é companheira dos calos. o sabão derrete carinho entre os dedos. mas o chiclete quer a calcinha favorita limpa. é noite de baile. será que arruma o marido rico?

7 pontos depois de 4 passos e 1 quina de armário. foi para onde encurralou o grito. "descuido" o chiclete disse no registro. 7 dias de internação para ganhar peso. tratar desidratação. hipertensão e 1 infecção de pulmão. um pacote completo de "ites". foi um descanso sem reflexão 

então 1 joelho que não dobra. 7 pontos na cabeça. não contabilizáveis calos, cicatrizes, nódulos, cistos generalizados. 2 ovários muxos. 1 intestino rompido. as lembranças são um mar de merda
chiclete ignorou o gemido. fazia sua maquiagem para o baile esperança do 3º marido

a luz daquela santa fedida do corredor apagou às 07:40. 1 noite em agonia. 3 netos cada qual em um universo paralelo. 1 bisneta que assistia curiosa as mãos carcomidas em conchinhas tremerem vez e outra até parar foi sua última companhia.  

resultado: 1 vida em cova rasa. 1 caixão barato. passado enterrado.
e neste agora, de futuro interessante, chiclete não havia pensado. em sua ladainha "comigo será diferente", que arrumaria um marido rico, não previa 28 animas famintos no retorno do funeral. 1 avental passou por seu pescoço sem que chiclete desse conta. 1 vassoura. depois 1 sabão, as roupas. até que o próprio tempo passou. E de 1 em 1 o final desta história não tem surpresas. é um esquema de crochê, presentes de mãe para filha





Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seguidores

visitas não brocham

Arquivo do blog

DEDOS NÃO BROCHAM

A. SAFRA

Minha foto
São Paulo, SP, Brazil
Tá dito no não dito. Contatos: e-mail: dedosnaobrocham @gmail.com twitter: @dedosnaobrocham facebook: Ale Safra

whos.amung.us