30.11.14

parênteses

essa poesia no silêncio das mãos
daquilo que toma, do gesto que suplica
e espera

sob as unhas um misto de sangue e terra
nos poros saltados dos ossos morros de saudades
e linhas inconstantes

há lembranças nessas mãos nos caminhos de nós
e atalhos afirmam: toda linha é uma utopia

(na dificuldade não segure nenhuma
esperança)

as mãos não mentem
mas apenas no que não dá

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seguidores

visitas não brocham

Arquivo do blog

DEDOS NÃO BROCHAM

A. SAFRA

Minha foto
São Paulo, SP, Brazil
Tá dito no não dito. Contatos: e-mail: dedosnaobrocham @gmail.com twitter: @dedosnaobrocham facebook: Ale Safra

whos.amung.us