26.8.15

a firma agradece a preferência




cara cinza língua asfaltada
marcha o terno asséptico
rumo a empreitada
defender seu assassinato
ao bater o ponto
lá na firma dos desesperados

carros fechados olhos travados
ternos desternurados guiam
sem contato com a rua
para chegar limpinho na firma
ouvindo ladainhas no rádio
de como se comportar no trabalho

o terno e outros ternos em bando
criam os megatrânsitos também nas calçadas
no almoço dos assalariados de luxo
falam todos gravatas. falam todos biscates
um coro protegido a rir igualmente
amarelo cinza medo da rua

o terno é só um terno que viu 
uma menina de bike na rua
e do susto brutal se brutalizou
como pode? grita o terno:
como pode usar a rua do meu carro?
ao terno não cabe coexistir. não cabe existir

o terno escuta o som da rua, mas a tv mandou temer
é da firma-apê. do apê-shopping
do shopping-carro-apê
o terno cinza não sabe o que ser
e rosna com seu carro. rosnam os ternos-carros
rosna para ninguém sair do cabide do armário

13.8.15

punhal de rosa prata




uma flor se abre em
livro exposto ao meio

a
li
nha
va
me

parede. pote. concha. copo
linho. lenço. lanço. me

cos
tu
ra
nos

papel. vento. universo
qual céu abismo

ga
i
vo
ta
se 

caixa torácica sapato
passo pulsa agudos 


6.8.15

bibelô

Foto Ale Safra - Instagram: ale_safra

era para ser a princesinha do papai
mas se tornou o bibelô do tio
e depois virou a cabra negra
e tocou o terror na família

primeiro matou de susto o avô
depois o tio com navalha do pai
e por fim a mãe e a irmã
com tubos de ketchup

do pai desejou viver feliz para sempre
mas ele preferiu a corda 
no tronco da árvore seca

Seguidores

visitas não brocham

Arquivo do blog

DEDOS NÃO BROCHAM

A. SAFRA

Minha foto
São Paulo, SP, Brazil
Tá dito no não dito. Contatos: e-mail: dedosnaobrocham @gmail.com twitter: @dedosnaobrocham facebook: Ale Safra

whos.amung.us